Resenha do Livro Juno de Baby Vidal


Juno de Barbara Vidal

Hoje, venho trazer para vocês, uma resenha fresquinha, de um livro histórico, que está sendo postado no Wattpad!

 A autora é Barbara Vidal, Embaixadora do Wattpad, autora de livros históricos, que está com seu primeiro livro publicado 1835 - Amor e Revolução, na Amazon!

Barbara Vidal


Mas vamos à resenha!


Juno - Roma - Barbara Vidal
Juno é uma gladiadora, que cresceu sabendo de sua penosa trilha, mas torna-se a semente de esperança de todos os companheiros, para tentar escapar desse destino cruel, ao saber do acordo com o Imperador Constantino I, que daria liberdade à maioria dos gladiadores, que estivessem dispostos à lutar numa batalha de vida e morte.
As cenas do primeiro capítulo, já mostra o talento da escritora Baby Vidal, ao contar sobre a vida de uma gladiadora, no ano 323 DC, o detalhe de se tratar de uma gladiadora, já chama a atenção do leitor, já que é mais comum retratar gladiadores. Crispo, o filho mais velho de Constantino, gostava de Juno e temia pela sua vida, mas a bela gladiadora estava disposta a lutar pelos seus companheiros, para salvar a maioria, enquanto trabalhava nas melhores táticas para ganhar uma guerra contra Licínio, inimigo de Constantino.
Mais tarde, Juno é guiada até a presença de Constantino, para mostrar seus planos e tê-los aprovados, coisa que acontece, mas o coração da bela gladiadora é cercado pelo amor de Crispo ainda, momentos depois, ambos se encontram e Juno tenta manter sua mente focada no que queria de momento, mesmo sabendo que aquele amor estava relegado à impossibilidade.
Aqui, no segundo capítulo, já é apresentado o par romântico de Juno, o jovem Crispo, filho mais velho de Constantino, denota-se um típico amor impossível, de uma simples gladiadora, com alguém tão importante, um homem da realeza, que não seria qualquer homem, mas sim, o herdeiro do Império Romano, assim, o foco de tensão desse enlace amoroso, com certeza, nos dará momentos de muita ansiedade.
Um tempo depois, é travada a batalha naval de Helesponto, onde os homens de Licínio tem uma derrota, ao mesmo tempo, em que devido uma forte tempestade, muitos outros homens do General Abando, que estava representando Licínio, morrem também, causando mais baixas ainda.
No terceiro capítulo, temos as descrições rápidas e precisas da batalha naval de Helesponto, mostrando como a leitura é fluída, por ser detalhista e sem se arrastar.
Passado um pouco, Constantino dá ordens para um de seus Generais, para mandar um mensageiro e dizer, que Juno e seus homens, não participassem da batalha em Milvia, mas irem para outro lugar. Com isso, quando um dos homens que estavam com Juno ouve aquilo, se indigna e lança um desabafo, que apesar de justo, não seria o momento apropriado. Era momento de Juno decidir, se aceitava a ordem de Constantino ou lutava pelos seus ideais...
O quarto capítulo, deixa entreaberto uma decisão muito importante para Juno, que só deverá ser revelada, com o desenrolar dos próximos, esse fio condutor, de deixar o mistério no ar, é um grande atrativo.
Meses antes, vemos na melhor escola de Roma, conhecida como Ludus Magnus, uma guerreira dotada de personalidade, Juno era a única mulher do local, dotada com as intenções de apenas sobreviver às lutas que ceifavam as vidas dos gladiadores, mas Juno era forte e destemida, apesar de uma aparência tão doce, mas entrecortada pelas cicatrizes de tantas batalhas.
No capítulo cinco, temos a virada de tempo, para alguns meses antes, para deixar no ar o que aconteceria no capítulo anterior, aqui, Juno é mostrada no seu dia a dia como gladiadora, querendo apenas sobreviver, no meio de tanta chacina e miséria humana, o contraponto entre os romanos comuns e os gladiadores, que eram escravos, cujas vidas eram marcadas pelo sofrimento, tudo que Juno queria, era ter mais um dia de vida, apenas isso.
Assim, com mais uns dias, Juno estava treinando, quando Balde veio dizer-lhe que Maximus, queria vê-la em seus aposentos. Atenta, seguiu Balde até seu destino e escutou de Maximus, que deveria fazer seu primeiro combate em breve, por quê, Constantino visitaria a escola. Juno, apesar de forte, sentiu um pouco de receio, mas sabia que isso aconteceria cedo ou tarde. E assim, resolveu se dedicar aos treinos de corpo e alma.
No sexto capítulo, Juno finalmente recebe a notícia que seu primeiro combate estava marcado e a cena em que Juno nota quanto sua vida é frágil, nos faz pensar em todas as fraquezas humanas, nas situações mais perigosas, em que a vida poderia valer nada e que sobreviver, era o maior dos prêmios.
Passado mais uns dias, Roma estava em festa, pela visita do Imperador Constantino e todo cortejo de sua família, as pessoas comemoravam esse fato. Outra grande atração, era o primeiro combate de Juno na arena. A moça, apesar de assustada, tentava manter-se forte. Então, no meio de tudo aquilo, Juno, que estava passando, quando sua silhueta foi vista por Crispo. O rapaz analisou aquela jovem e seu olhar caiu de amores. Quis chegar mais perto, mas terminou perdendo-a de vista.
No sétimo capítulo, é descrito como os festejos de uma visita do Imperador Constantino, atiçava o divertimento do povo, com um dos grande atrativos, sendo a primeira luta de Juno, como se a vida humana nada valesse e que viver ou morrer, pouco importava para as pessoas daquela época, por ser algo comum em suas rotinas, mas em meio à tudo aquilo, temos a descoberta de como Crispo conheceu Juno, iniciando a trajetória romântica daquele amor impossível, deixando a gente torcer pelo que se seguiria.
Mais tarde, Juno foi levada para sua cela, para esperar pelo seu primeiro combate. Mal dormiu, quando foi chamada por alguém, que deu-lhe uma palavra tão importante, que faria-a pensar sobre Deus...
No oitavo capítulo, Juno tem uma conversa estranha com um homem chamado Zuma, que falaria-lhe palavras tão sutis e importantes, que Juno começa a perceber que algo maior existia em sua vida.
No dia seguinte, Juno teve um sonho estranho, um homem, à quem nunca apareceu na vida, apareceu e disse-lhe sobre cada um possuir uma missão. Depois de dizer-lhe aquilo, o homem desapareceu. Um soldado veio abrir-lhe a cela e lembrando-se de Zuma, pediu informações. Qual não seria sua surpresa, o soldado responder-lhe que Zuma morreu na semana passada! Mas como, se conversaram, fazia poucas horas? Assim, o momento do combate chegou, Juno enfrentaria sua oponente Mispa, podia ouvir os gritos da multidão, pedindo sua morte. Mas uma pessoa, ao vê-la, desejou que sua vida fosse poupada, era Crispo, que reconheceu-a como a mulher que vira antes... E com isso, daria início ao combate em que Juno lutaria para sobreviver...
No nono capítulo, um fato curioso faz Juno pensar se estava delirando ou não, mas aquilo serviria para moldar suas convicções, e com isso, o conflito de Juno estar chegando no seu primeiro combate, chega ao ápice, quando é levada para a arena e enfrentar sua rival, mas Crispo ao vê-la e reconhece-la como a mulher que tinha visto antes, faria-o torcer pela sua vida e nós, leitores de livros históricos, vamos torcer para que Juno tenha sua recompensa e possa viver esse amor com Crispo.

 Pra quem quiser conhecer outras obras de Barbara Vidal, esse é o link de seu user no Wattpad!

Espero que gostem!

0 comentários